Programa de Recuperação e Beneficiação

JARDIM BOTÂNICO TROPICAL


Universidade de Lisboa

scroll down

Bem-vindo


O Jardim Botânico Tropical (JBT) situa-se em Lisboa, na zona monumental de Belém, junto ao Mosteiro dos Jerónimos. Com uma área total de aproximadamente 7ha é possuidor de importantes coleções botânicas com cerca de 600 espécies, pertencentes a mais de uma centena de famílias, maioritariamente de origem tropical e subtropical.

Desde 2015 que o JBT integra o património da Universidade de Lisboa, sob gestão integrada com o Museu Nacional de História Natural e da Ciência / Museus da Universidade de Lisboa, desenvolvendo atividades de caráter científico, educativo, cultural e espaço de lazer, no âmbito da preservação e valorização do património e difusão da cultura científica tropical. Este Jardim Botânico acolhe uma importante coleção de plantas com valor económico, refletindo as fortes ligações à expansão portuguesa e aos percursos dos navegantes que as difundiram pelos vários continentes.

Em Janeiro de 2019, iniciou-se o plano de reabilitação total deste espaço abrangendo não apenas os equipamentos existentes, mas também a criação de novos elementos e funcionalidades. Progressivamente estão a ser restabelecidas as infraestruturas básicas referentes a fornecimento de energia elétrica, abastecimento e reciclagem de água para rega e outros fins e rede de comunicação. Igualmente se tem procedido à recuperação de todos os elementos de água: Lago Principal, Lago das Serpentes, Tanque dos Leões, Tanque do Palácio dos Condes da Calheta, riachos do Jardim Oriental e canais de circulação de água. Ainda neste contexto está a ser renovada a área "verde", higienizou-se toda a estatuária existente no local e foi aberto ao público o Jardim dos Catos, um espaço patrimonial, material e imaterial, com um valor notável.

Em Janeiro de 2020 inicia-se a intervenção nos edifícios históricos com a recuperação do Restaurante Colonial/Casa de Chá, da Estufa Principal, do Palácio dos Condes da Calheta e das instalações para apoio às atividades dos jardineiros. Ainda está previsto para 2020 o início da construção de um edifício de raiz que tem como objetivo ampliar a visibilidade e atratividade do Jardim, reunindo as Reservas de Espécimes Biológicos conservados em meio líquido, que se encontram armazenadas em diferentes locais e instituições.

Enquadramento histórico


O Jardim foi criado em 25 de Janeiro de 1906 por Decreto Régio, no contexto da organização dos serviços agrícolas coloniais e do ensino agronómico colonial no então Instituto de Agronomia e Veterinária, tendo-se denominado Jardim Colonial de Lisboa.

Este Jardim, com uma forte vocação didática foi considerado base fundamental ao ensino por ser "indispensável o exemplar vivo para que a demonstração seja rigorosamente scientifica e educativa, para que o alumno não fique imaginando somente como são os animaes e os vegetaes, mas tenha a noção viva da realidade" (Decreto de 25 de janeiro de 1906. Diário do Governo n.º 21, 1º trimestre).

Desde os seus primórdios, o Jardim Colonial de Lisboa, na dependência pedagógica do Instituto Superior de Agronomia (ISA) era entendido como centro de estudo e experimentação de culturas, como espaço de recolha de informação sobre a agricultura colonial, como centro promotor de relações com instituições congéneres e como centro fundamental para a resposta a questões de índole técnica.

Nas bases da organização dos serviços agrícolas coloniais estabeleceu-se que o ensino agrícola tropical neste Jardim incluiria um "laboratório" e um "museu", Museu Agrícola Colonial, a funcionar no Palácio dos Condes da Calheta (ou Palácio do Pátio das Vacas) e que o Diretor seria o docente da disciplina de Geografia Económica e Culturas Coloniais do ISA.

Esta situação manteve-se até 1944, data em que o Jardim Colonial de Lisboa se fundiu com o Museu Agrícola Colonial para formar o Jardim e Museu Agrícola Colonial. O Jardim deixou então de estar sob a dependência do ISA e o seu Diretor deixou de ser um docente daquele Instituto. A designação evoluiu em 1951 para Jardim e Museu Agrícola do Ultramar, passando a integrar em 1974 a Junta de Investigações do Ultramar, posteriormente Instituto de Investigação Científica Tropical (IICT).

Em 1983 o Jardim adotou a designação de Jardim-Museu Agrícola Tropical constituindo uma das unidades funcionais do IICT e contando entre as suas competências, a de "desenvolver e assegurar a manutenção de colecções de plantas vivas das zonas tropicais e subtropicais, ao ar livre ou em ambiente confinado, com classificação e catalogação actualizadas, que constituem material de estudo e ensino" (Decreto-Lei n.º 160/83, 1ª Série 90).

Para apoiar a direção do IICT na dinamização e realização de atividades no Jardim, foi criada em 17 de junho de 2005, a Liga dos Amigos do Jardim Botânico Tropical (LAJBT) associação sem fins lucrativos que se propôs a angariar fundos complementares e contribuir para a definição das linhas orientadoras do JBT.

Em 2007, o Jardim foi classificado como Monumento Nacional, juntamente com o Palácio Presidencial e outros espaços da zona de Belém e em 2015, integrou a Universidade de Lisboa, após a extinção por fusão do IICT, I.P.

Programa
de Recuperação
e Beneficiação

  • 1. Recuperação dos espaços verdes

  • 2. Reabilitação das vias e de edifícios

    Lago Principal e outros cursos de água, Jardim Oriental, Jardim dos Catos, Restaurante Colonial/Casa de Chá, Casas dos Jardineiros, Reserva de Espécimes Biológicos conservados em meio líquido, Estufa Principal, Palácio dos Condes da Calheta, Pavilhão de Matérias-Primas.
  • 3. Construção de novas infraestruturas

    Circuitos de água, esgotos, tubagens, eletricidade, repavimentação e comunicações.

Objetivos

  • Garantir que o Jardim cumpra a sua missão de Jardim Botânico – investigação, educação e conservação ex-situ;
  • Promover os vários contextos históricos associados a este espaço, que remontam ao século XVI;
  • Restaurar e/ou reconstruir os elementos patrimoniais desvalorizados devido a intervenções anteriores, ou a patologias existentes;
  • Conservar, recuperar e valorizar as atuais infraestruturas;
  • Infraestruturar o Jardim com novos equipamentos adequados ao aumento da diversidade e intensidade de uso;
  • Implementar um sistema de sinalética que permita a clara identificação dos exemplares botânicos existentes e que forneça informação geral sobre o JBT e sua história.
  • Proporcionar um maior número de experiencias e consequentemente uma maior capacidade de atrair visitantes.

Projetos

O Programa de Recuperação e Beneficiação do JBT divide-se em várias fases de concretização e prevê a Intervenção Paisagística e do Edificado, nomeadamente:

  • Recuperação dos elementos de água: Lago Principal e todos os canais e pequenos lagos do Jardim;
  • Modernização do sistema de rega;
  • Drenagem pluvial;
  • Repavimentação e modelação do terreno;
  • Reparação de muros e outras estruturas;
  • Criação de negativos para a instalação de infraestruturas elétricas e de telecomunicações;
  • Atualização da sinalética;
  • Requalificação do Jardim Oriental e abertura ao público da zona do Jardim dos Catos, Abrigo de S. João e Casa do Veado;
  • Recuperação de parte do Edificado, com destaque para o conjunto de Estufas, do Restaurante Colonial / Casa de Chá, Casas dos Jardineiros e Palácio dos Condes da Calheta;
  • Construção, no Campo de Culturas, de uma Reserva para albergar os espécimes biológicos conservados em meio líquido do Museu Nacional de História Natural e da Ciência.

 

Planta JBT
  • 1. Entrada
  • 2. Lago Principal
  • 3. Galeria de Exposições
  • 4. Restaurante Colonial / Casa de Chá
  • 5. Campo de Culturas
  • 6. Casas dos Jardineiros
  • 7. Abrigo de S. João e Casa do Veado
  • 8. Tanque dos Leões
  • 9. Jardim dos Catos
  • 10. Casa Colonial / Casa da Direção e Lago das Serpentes
  • 11. Estufa Principal
  • 12. Pavilhão de Matérias Primas
  • 13. Jardim de Buxo
  • 14. Palácio dos Condes da Calheta e Tanque
  • 15. Jardim Oriental

Projeto de recuperação Paisagística do Jardim Botânico Tropical (JBT), adaptado de Topiáris, Arquitetura Paisagista

Esta intervenção incidiu sobre a área total do Jardim.

A estratégia de requalificação paisagística e o conjunto de intervenções que lhe estão subjacentes têm por objetivo salvaguardar e enriquecer o património existente, evidenciar o seu percurso histórico e a sua identidade, concedendo-lhe novas funcionalidades.

Intervenção

A intervenção a nível da arquitetura paisagista foi pensada para incluir todos os elementos já existentes, bem como a modelação do terreno, drenagem, repavimentação, reparação de muros, restabelecimento dos circuitos de água, atualização da sinalética, modernização da rede de rega, trabalhos de preparação do terreno e replaneamento de plantações e sementeiras; criaram-se, igualmente, negativos para a instalação de infraestruturas elétricas e de telecomunicações.

A reabilitação deste espaço tem como propósito o restauro da Estufa na sua traça original, devolvendo-lhe o seu esplendor inicial e reposicionando-a como principal foco de atração do JBT, continuando a abrigar, principalmente, plantas das regiões de clima quente e húmido.

História

A Estufa Principal do JBT foi construída no início do séc. XX, com base num esboço de Henry Navel, jardineiro paisagista francês que se encontrava a dirigir a instalação do Jardim Colonial de Lisboa, na "Cerca do Palácio de Belém". É constituída por um edifício central com três corpos, duas estufas de multiplicação, uma oficina de envasamento e um corpo vestibular, destacando-se pela sua estrutura de ferro e vidro, ao estilo arquitetónico "Arte Nova".

Este espaço acolheu as plantas que se encontravam na anterior estufa do Jardim Colonial, e os três corpos que integram a "Estufa Principal" teriam relação com África, Ásia e América, continentes onde as regiões tropicais maioritariamente se localizam. Aquando da Exposição do Mundo Português (1940), quando recebeu, entre outras, uma importante coleção de orquídeas, terá sido objeto de alterações.

Atualmente inclui um corpo vestibular, destacado na fachada principal, cuja construção será, possivelmente, dos anos de 1950 o qual integra um portão do séc. XIX, em ferro forjado cravejado, que terá pertencido a uma das quintas da zona, um painel de azulejos policromos, datado dos anos de 1930, e uma escultura em pedra com motivos chineses, colocada em 1978.

Intervenção

Esta área foi projetada para ter uma versatilidade funcional com espaços de exposição permanente e temporários e zonas de apoio técnico. O programa expositivo da Estufa, direcionado para a temática das Plantas Tropicais, Rotas e Usos, tem foco nas plantas de grande interesse económico, quer no passado, quer no presente.

Tendo em conta o objetivo da criação de uma estufa energia zero são adotadas soluções tecnológicas inovadores adequadas à sustentabilidade do edifício e à minimização das suas necessidades energéticas.

O edifício do antigo "Restaurante Colonial" acolheu entre as décadas de 1950 e 1980 o Laboratório de Histologia e Tecnologia de madeiras do IICT.

Com as obras de reabilitação deste espaço pretende-se que volte a assumir a sua função inicial de Restaurante, capaz de oferecer aos visitantes do Jardim uma refeição quente, sentada, no interior ou esplanada, por valores médios, com a possibilidade de exploração em regime de self-service.

História

O antigo "Restaurante Colonial" foi construído no âmbito da Exposição do Mundo Português de 1940; aqui serviram-se comidas tradicionais dos vários países representados naquela Exposição. Foi posteriormente adaptado a Casa de Chá apresentando uma área de sala ampla com uma escadaria central com três lanços: um localizado a eixo do semicírculo da planta até ao patim intermédio e dois lanços simétricos até ao terraço confrontado a Nascente.

A modelação e fenestração seguem uma linguagem de modernismo suave com janelas largas, riscadas na horizontal, intervaladas por colunas com uma métrica de escala clássica, típicas da primeira fase do modernismo português até 1943. A cor rosa, coloração oficial dos edifícios do Estado neste período, consagrava a pertença ao grupo.

Intervenção

Beneficiação das zonas de circulação de pessoas e bens, bem como áreas de serviço e apoio aos visitantes. Em particular, a sala de refeições (interior) retoma a forma ampla com capacidade de 64 lugares e o terraço existente e a cobertura são adaptados a espaços para esplanada, com cerca de 72 lugares sentados.

O Palácio dos Condes da Calheta foi mandado construir pelo 4.º Conde da Calheta em meados do século XVII. Este palácio é caraterizado por uma arquitetura civil barroca, de linhas direitas e robustas sem elementos arquitetónicos de relevo; destaca-se, no seu interior, pela riqueza azulejar que remonta ao século XVII.

História

Em 1726 o Palácio dos Condes da Calheta, bem como os terrenos anexos foram adquiridos pelo rei D. João V pela quantia de 50.000 cruzados, para aqui plantar a sua Regis Hortus Suburbanus.

Em 1758, nas proximidades do Palácio dá-se o atentado ao rei D. José I. A autoria moral deste episódio foi atribuída ao Duque de Aveiro e à Família Távora e parte dos interrogatórios foram aqui levados a cabo; no início do século XIX funcionou como Real Arquivo Militar, Secretaria de Estado e ainda como acomodação de visitas reais a Portugal e residência de funcionários aposentados da Casa Real. Em 1929 abriu ao público como Museu Agrícola Colonial, local de reunião de coleções constituídas por produtos agrícolas e florestais ultramarinos; em 1940, durante a Exposição do Mundo Português o Palácio foi transformado em Pavilhão da Caça e do Turismo e nos tanques adjacentes foram colocados crocodilos vivos. Em 2002 no piso térreo do Palácio passou a funcionar o Centro de Documentação e Informação do IICT.

Intervenção

Recuperação total e estrutural do edifício para formação avançada, exposições e restauração.
Durante o tempo de recuperação do Lago Principal os peixes ali existentes foram translocados para o Tanque adjacente ao Palácio dos Condes da Calheta. No final de 2019 os peixes regressaram ao Lago Principal do JBT, dando-se início aos trabalhos de limpeza do Tanque.

O principal objetivo desta intervenção é a remodelação de dois edifícios, para que possam voltar a funcionar como espaço de apoio aos jardineiros do Jardim.

História

Estes edifícios foram construídos entre 1940 e 1971 e serviram de apoio aos jardineiros do JBT: um dos edifícios foi reservado para arrumos e o outro serviu como casa do envasamento, onde existiam os "tanques" utilizados para guardar e misturar as terras. No "edifício da habitação" existiam duas salas, uma cozinha e uma casa de banho, área esta utilizada pelos jardineiros como local de refeições e escritório.

Intervenção

Recuperação de dois espaços para fazer face às necessidades atuais, enquanto espaços de apoio aos jardineiros.

O projeto do "edifício de apoio" contempla balneários, vestiários e uma área de refeições, reuniões e convívio e o "edifício da habitação" tem um espaço de habitação com dois quartos, uma zona de arrumos e uma oficina.

A garagem, entre os dois edifícios tem como objetivo o parqueamento de pequenos tratores e o armazenamento de máquinas agrícolas.

Construção de um edifício, no Campo de Culturas, para albergar uma Reserva, visitável, das coleções preservadas em meio líquido do Museu Nacional de História Natural e da Ciência (MUHNAC), constituídas maioritariamente por espécimes zoológicos e uma pequena coleção de espécimes botânicos, até agora dispersas por vários locais.

O edifício tem a dupla funcionalidade de, por um lado, reunir num só espaço um espólio de grande valor científico e cultural e por outro lado, enquanto reserva visitável, possibilitar o acesso público às coleções, contribuindo para a sua disseminação e valorização.

A instalação deste espólio no JBT valoriza bastante o Jardim, com a utilização da zona do Campo de Culturas, há muito não aberta ao público permitindo, também, alargar o âmbito de visitantes.

O edifício proposto é constituído por dois níveis: o piso zero onde se encontram as áreas técnicas e as áreas de acesso a visitantes e o primeiro piso onde se situam espaços de apoio aos funcionários.

Mandado construir no início do século XX o Lago Principal foi alvo de reabilitação total realçando-se a sua importância no conjunto patrimonial do JBT.

História

O Lago Principal foi construído em 1903, como forma de complementar e embelezar este Jardim por ocasião da visita do rei Afonso XIII de Espanha à Corte Portuguesa. É envolvido por uma vegetação luxuriante constituindo um atrativo para aves residentes e migratórias.

Intervenção

Procedeu-se à recuperação dos materiais do leito e impermeabilização do Lago e dos restantes canais e tanques do JBT, bem como a reparação e reformulação dos sistemas de circulação de água, com o intuito de minimizar o seu consumo; realizou-se, ainda uma instalação de grupo, de bombagem e de filtragem para a circulação de água, bombeando-a para o Tanque do Palácio dos Condes da Calheta. Desta forma, a água dos restantes lagos, canais e cascatas circula apenas por gravidade, minimizando o consumo de energia.

 

Translocação dos peixes do Lago Principal do Jardim Botânico Tropical para o Tanque do Palácio dos Condes da Calheta no dia 11 de dezembro de 2018.

O Jardim dos Catos, com origem na estufa de plantas suculentas, é detentor de uma paisagem única, "construída" ao longo de várias décadas.

História

O atual Jardim dos Catos teve origem na estufa de plantas suculentas, acabada de construir em 1949, destinada à produção e conservação de várias espécies de catos e de outras suculentas.

No mesmo espaço encontram-se outras estufas e abrigos, atualmente desativados, nomeadamente a Estufa dos Ananases destinada à cultura daquela planta. Estes espaços estavam originalmente equipados com dispositivos que permitiam o controlo do ambiente – temperatura e humidade e sistemas de rega localizada, para nelas se conservarem as espécies tropicais e subtropicais com necessidades mais exigentes. Com o passar dos anos, estas plantas expandiram-se de forma natural e deram origem a uma paisagem única de grande interesse cénico e botânico, proporcionando ambientes inéditos.

Intervenção

Recuperação deste espaço mediante intervenções ao nível do pavimento, dos sistemas de rega e do plano de iluminação; o muro adjacente foi reforçado e foram feitas novas plantações. As estufas e os abrigos serão também restaurados.

Com a abertura deste espaço ao público é possível visitar a zona do Tanque dos Leões e Casa do Veado, uma pequena Casa de Fresco, datada do século XVIII, local de descanso durante os passeios e caçadas nos jardins da Quinta de Belém, até agora não acessível aos visitantes do JBT.

O Jardim Oriental foi construído entre 1948 e 1949 e pretendeu recriar um Jardim Chinês com vários elementos caraterísticos, como o lago central, a presença simbólica de vários canais de água, rochas e pontes.

História

O espaço onde atualmente se encontra o Jardim Oriental foi, durante a Exposição do Mundo Português, em 1940, uma "Rua" típica de Macau, com comércio, casas e oficinas de artífices onde se representaram os usos e costumes desta população. Uma réplica do Arco de Macau, ainda existente, marcava o início desta rua; no topo norte foi construído um Pavilhão Chinês e a Porta da Lua.

Posteriormente e separado do resto do Jardim por uma fileira de bambus foi criado neste local um jardim com elementos característicos dos jardins chineses, como o lago central, os caminhos meandrizados, a presença simbólica das rochas, as pequenas pontes, assim como elementos presentes nos jardins portugueses nomeadamente, os cursos de água discretos, as cascatas ou as balaustradas, todos eles integrados paisagisticamente por vegetação ornamental constituída por espécies asiáticas.

Num dos recantos do Jardim Oriental encontra-se uma pequena gruta onde é visível um busto do poeta Luís de Camões, bem como painéis com Cantos da sua obra "Os Lusíadas". Segundo a tradição terá sido na Gruta de Camões, no Jardim Luís de Camões, em Macau que o poeta se terá inspirado para escrever "Os Lusíadas".

Intervenção

Reabilitação do ponto de vista paisagístico, com a recuperação de caminhos e pontes e com a reposição da circulação de água nos lagos, riachos e canais; foi colocada iluminação em todo o espaço e foram replantadas várias espécies originárias da China. O Pavilhão Chinês, no topo norte do Jardim foi restaurado e o muro e o Arco de Macau requalificados.

Ficha Técnica


Dono de Obra

Universidade de Lisboa: Ana Luísa Soares, César Garcia, José Manuel Pinto Paixão, Maria José Clarinha, Miguel Santos
Curadoras: Ana Luísa Soares e Maria Cristina Duarte

Projeto de Recuperação Paisagística

Topiáris, Arquitetura Paisagista: Luís Ribeiro e Teresa Barão (Responsáveis Técnicos); Ana Lemos, Catarina Viana, Elsa Calhau, Miguel Madeira, Rita Salgado e Sara Coelho (Colaboradores)

Projeto de Reconstrução e Requalificação dos espaços exteriores

Decoverdi: Carmen Mareco (Diretora de Obra) e Michael Coelho (Técnico de Obra)

Fiscalização e Segurança

Sacramento Campos, Projetos e Serviços, S.A.: João Fonseca e Fernando Rosa (Diretores de Fiscalização) e Gisela Ferreira (Coordenadora de Segurança em obra e Fiscalização)

Projeto de reabilitação do Restaurante Colonial/Casa de Chá

CPZ, Projetos e Consultoria, LDA: Pedro Vaz, arq.
MASCEA, Energia e Ambiente, Lda – Instalações e Equipamentos elétricos

Projeto de reabilitação da Estufa Principal

GALBILEC, Serviços Globais de Projeto, Gabinete de Arquitetura: Octávio Lourenço

Projeto de reabilitação das Casas dos Jardineiros

Área do Edificado dos Serviços Centrais da Universidade de Lisboa: Rui Sérgio D. M. Coelho

Projeto da Reserva de Espécimes Biológicos conservados em meio líquido

Área do Edificado dos Serviços Centrais da Universidade de Lisboa: Rui Sérgio D. M. Coelho; co-autoria de Jordi Fornells Castelló (Voar-Arquitetura, Lda).

Translocação dos peixes entre o Lago Principal e o Tanque do Palácio dos Condes da Calheta

Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas, Equipa do Parque Natural do Vale do Guadiana (ICNF)

Captação de imagens da translocação dos peixes do Lago Principal para o Tanque do Palácio dos Condes da Calheta

Tiago Carvalho, Área de Apoio Informático, Departamento de Informática, Reitoria da Universidade de Lisboa

Captação de imagens da translocação dos peixes do Tanque do Palácio dos Condes da Calheta para o Lago Principal

Ana Subtil Simões e Ânia Finuras – Área de Comunicação e Imagem, Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa

Produção da página

Núcleo de Comunicação, Departamento de Relações Externas e Internacionais, Reitoria da Universidade de Lisboa; Ana Godinho Coelho, Museu Nacional de História Natural e da Ciência

Fotografias

César Garcia, Câmara Municipal de Lisboa, Arquivo Nacional da Torre do Tombo

Última atualização: dezembro 2019

Envolva-se

Liga dos Amigos do Jardim Botânico Tropical

Liga de Amigos do Jardim Botânico Tropical (LAJBT)

A LAJBT é uma Associação cívica, sem fins lucrativos, constituída em 17 de julho de 2005, declarada de utilidade pública em julho de 2019. Visa o apoio, a dinamização e a realização de ações de índole científica, técnica, educacional, cultural e de serviço à comunidade, compatíveis com os objetivos do Jardim Botânico Tropical" e "a captação e geração de recursos complementares para o seu bom funcionamento.

Objetivos

  • Promover e participar em atividades de divulgação do JBT
  • Dinamizar e apoiar iniciativas com objetivo de conservação do património natural deste Jardim Botânico
  • Colaborar na salvaguarda da história da génese e da missão deste espaço
  • Divulgar e valorizar a importância da flora tropical através de ações de educação ambiental
  • Angariar fundos que revertam integralmente para a realização de melhorias no JBT

Quer ajudar e contribuir para a conservação do JBT?

Associe-se:
amigosjbt.wixsite.com/site

Jardim Botânico Tropical

da Universidade de Lisboa

Largo dos Jerónimos
1400-209 Lisboa

t. +351 213 921 808
e. geral@museus.ulisboa.pt
w. museus.ulisboa.pt

Como chegar:
Autocarro: 714, 727, 728, 729
Elétrico: 15, 18
Comboio: Linha Cais do Sodré-Cascais (Estação de Belém)